A intenção da criação deste blog se fez perante a necessidade de uma discussão séria sobre um dos gêneros mais polêmicos de todos os tempos dentro do metal, o black metal.
Este estilo tem particularidades ideológicas, filosóficas e musicais, que o distinguem de outras vertentes do metal.
Além disso, será debatido os vários subgêneros dentro do Black Metal para buscar compreender o porque destes diferentes rótulos, tais como pagan, atmosferic, NSBM, entre outros.
Por fim, serão postados entrevistas, álbuns e vídeos de bandas relacionadas ao estilo, assim como texto de grandes pensadores que influenciaram o Black Metal como um todo.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Uraeus - A Serpente Triunfante








    Horda formada em Goiânia - GO em 1999. Tem como líder,  Doom-Rá e seu estilo com vivência em cenários de vários estados, o que é um fator influente na trajetória da banda que já passou por várias formações. 

    Desde 2004 Uraeus lança seu veneno e suas maldiçãoes em demos cassete e cd demos como:



O Despertar da Ira Serpential - 2004






Profanas Jornadas Para Aurora Negra - 2004






Live 666 - 2005





6 Anos de Batalhas... - 2006
    


    Em 2009 sai o primeiro full-length, A banda já se destacava pela sua originalidade e mesmo com a técnica sendo  mais simples na maioria das vezes, simples não é sinônimo de fácil e só tem êxito quando feito de forma  natural. E A Serpente Triunfante é isso, ela triunfa em seus domínios, tendo real conhecimento do que é feito.
    Nessa época a formação era  Doom-Rá  fazendo guitarras, vocais e coral. Blasphemus no contra-baixo e a bateria foi gravada por  Nephastus.





A Serpente Triunfante



    O material tem vários destaques diferentes, consagrando hinos como A Ira da Serpente Alada e A Serpente caída do Sol e Supremo Lúcifer-Rá  com bastante cadência nas músicas. A primeira teve linha de vocais limpos inclusos que ficaram muito bom, e a segunda com rifes um pouco mais cortantes ao estilo Obsessed By Cruelty do Sodom. Mas o álbum como todo parece ter tido influências como Samael, Mausoleum, Hecate, Amen Corner, Bathory.

    Além dos momentos que antecedem A Ira da Serpente Alada que eu acredito ser do filme do Conan. Ele é homenageado em O Impiedoso Filho de Crom que entre trovões  e uma levada no baixo com cânticos, entrando guitarra e batera complementando atmosfera  cativante e épica formando uma bela homenagem.

    Supremo Lucifer-Rá- Se torna um destaque por seu "estilo de transe" e vocais limpos que caíram  muito bem.

    A quinta música, Bela Bruxa Profana, tem uma quebrada bem ao estilo brasileiro tipo Amen Corner. Depois belíssimas notas dissonantes que infelizmente duram rápido.

    Triunfo do Aço Negro: depois de uma rápida guerra como a marcha, uma caminhada para o combate com boas influências de HammerHeart - Bathory, belos cantos limpos e clima arcaico. Belíssima faixa. E o mais massa de tudo, voltado para a natureza brasileira, pois a próximo faixa é...

    Hail Metal Negro Tupi: mais uma música com grande influência de Bathory, podemos pegar a faixa Blood Fire Death como exemplo de tipo de levada que encontramos no começo. Duetos de vocais rasgados e limpo praticamente a música toda. Notas mais estridentes das faixas, uma bela canção em homenagem ao Metal Negro brasileiro. Foda pra caralho!

     Crepúsculo Pagão é um cover da demo O Retorno à Batalha da antiga banda Mausoleum. Uma música bem melancólica  e épica, onde a banda conseguiu transmitir muito bem em sincronia o sentimento, tanto musical quanto lírico. Trechos como:

     "Minha alma chora, o coração que um dia foi fogo
       Agora funde-se com o mais longo frio da noite
       Da noite eu nasci, a ela eu retornarei,
       Meu instinto  é  minha espada, e minha vida liberdade!" 

   ...fazem dessa música especial, e Uraeus soube captar e transmitir tudo isso com maestria.


   "Levantai as Espadas... a Batalha Continuará"

   Espadas, gritos, cavalos, dedilhados. Não há muito o que falar do título da música e essas combinações sonoras, a mensagem é clara.
   
   A guerra continua, sempre!





Uraeus
     
    Serpente usada como proteção, é encontrada na coroa dos faraós e de alguns deuses, símbolo de soberania.

  
   "Uma lenda conta que o deus criador, na origem do mundo, foi privado de seu olho. envia então seus mensageiros divinos Shu e Tefnut à sua procura. Tão longa foi a sua ausência que Rá substitui o infiel. "O Olho" enfim de volta, derrete-se em lágrimas ao ver que seu lugar fora ocupado. Os homens (literalmente rémet) assim nasceram de suas lágrimas (rémyt), o jogo de palavras aqui criando sua origem mítica. E para apaziguar "o olho", Rá o transforma em serpente-uraeus e o coloca na fronte como símbolo de seu poder para combater os rebeldes. Os faraós, ao levarem em seu diadema a imagem dessa áspide mosqueada, faziam-no, com certeza, como símbolo da invencibilidade de seu poder, já que os egípcios encaravam a cobra como um símbolo de soberania."

fonte: http://www.fascinioegito.sh06.com/







TRIUNFOS PELO AÇO NEGRO - URAEUS

Místicas florestas da mãe terra...
Fogueira pagã...
Cultos ocultos nas sombras...
Círculo fechado em chamas...
Sangue na terra, frio na alma...
Espadas em punho...

Triunfos pelo aço negro,
Sangue... em nossas mãos,
Hordas marcham...

Glória sangrenta ao aço...
Círculo da morte semeia...
Além das florestas & abismos...
Ritos de guerra profana...
Cinzas de corpo decaídos...
O grito do corvo ressoa...

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Warforged - The Legacy of Antichrist




The Legacy of Antichrist




        Pra quem acha que o black metal morreu com o fim dos anos 90, aqui está mais uma prova viva de que a chama continua acesa, Warforged! Basta tirar o foco da multidão e mirar apenas na essência.  

        Projeto formado em 2007 por Daeroth Inglorium em Arapongas, Paraná. Foram dois trabalhos como one-man-band e em 2013 Demogorgon assume a bateria para a banda lançar o EP Heretic Path que também sai em split com o Dodsferd. Hoje a formação do Warforged conta com Daeroth Inglorion, Amäethon e Demogorgon. É a mesma formação da banda de death/black Hurtgen.


        Um Raw Black Metal que reúne características distintas como sendo cru e furioso, em outros  momentos atmosférico, e com belíssimas melodias ao decorrer do trabalho, com dedilhados e um baixo que segue um rumo próprio boa parte das músicas.


        Caótico e épico , melancólico e vitorioso. Sua queda foi livre pois lutou pela liberdade, mais vale a honra do que o poder a qualquer custo!  Esses sentimentos luciferianos estão presentes na atmosfera do Warforged. Desde as profundezas do abismo até a luz do conhecimento, um mergulho profundo para atingir as entranhas da terra e do eu interior.


         O álbum tem muito daquela atmosfera carregada e  misantrópica do Nargaroth e Drudkh, porém no Warforged não existe aquela grande repetição de alguns rifes como é característico das duas bandas citadas.

         Muita influência herdada também de Emperor como In the Night Side Eclipse por exemplo, sua atmosfera mágica e épica fazem parte de The Legacy of Antichrist, só que com o teclado apenas em raríssimos momentos no Warforged, ao contrário dos noruegueses que o usam em praticamente todo momento.

          Aquela frieza e obscuridade de Immortal, Darkthrone, Burzum, Judas Iscariot também estão presentes no álbum. Características que foram reunidas para moldar o som da banda. 

          O álbum é composto por 5 grandes músicas e nenhuma está aqui para tapar buraco, porém destaco entre elas The Battle of Belial Against Gabriel (Pt.1), Chaos Legion e a faixa título The Legacy of Antichrist. Realmente são músicas que tocam a alma e arrepia os cabelos. O EP saiu em cd separado e também como bônus em um lançamento do álbum The Black Age of Light's Fall, assim como formato tape.
           Esse trabalho, além dos outros, colocam a banda entre as melhores da cena nacional em minha opinião.





Warforged


Daeroth Inglorium



          The legace of Antichrist inicia de repente, sem cerimonia alguma. The Battle of Belial Against Gabriel (Pt.1) vem numa pedrada no estilo das mais agressivas do Nargaroth, o vocal é rasgado . Em alguns momentos também lembra aquela atmosfera  do album Geliebte des Regens, no Nargaroth por exemplo esse álbum tem um clima maior de misantropia com bateria constantemente arrastada e longas  repetições, no Warforged o clima é mais de confronto e rápida mudança de ritmo, vai de metranca a momentos onde só a guitarra fica dedilhando.


          Essa foi apenas a primeira banda que vem a mente escutando o trabalho, porque na verdade virão muitas ainda. E isso não atrapalha em nada na formação da identidade da banda, pois mesmo lembrando várias outras você sabe que o Warforged esta ali, as características próprias estão sempre presentes. A guitarra solo também sempre dando um toque diferencial e característico e o baixo com muita personalidade.

          Entre metrancas e viradas, a música evolui de repente para uma bateria levada que desagua na porradaria enquanto Belial vocifera:

“Ódio, contra o funeral da luz,
Não haverá misericórdia,
Matem, todos aqueles que se oporem a verdade.
Guerreiros, usem a força,
Usem o caos, usem o terror.
Lutem pela honra!”


          Com dedilhados e bateria arrastada a música nos leva a guitarras  melancólicas e abafadas  como na faixa do Nargaroth Seven Tears Are Flowing To The River do album Black Metal Ist Krieg.

          Eis que guitarras intimam tão harmoniosas e o baixo ganha vida e viaja longe enquanto um teclado da um clima soturno bem ao estilo Judas Iscariot em Heaven in Flames, um estilo que caiu muito bem na música do Warforged. Com uma sensação incrível de leveza o teclado e o baixo ditam o ritmo, uma sensação de vôo e conquista. Essa parte daria uma ótima trilha sonora para um filme apocalíptico, imaginem uma câmera filmando de cima todo aquele cenário de guerra com vários anjos mortos e despedaçados, para além das montanhas, com Belial no alto, ferido, porém vitorioso ... enquanto Gabriel despenca em queda livre. Enquanto esses versos são cantados a música vai diminuindo até o fim.

"A batalha da revelação,
Onde os fracos se esconderão,
E somente os fortes sobreviverão.
E somente os fortes sobreviverão..."


          Excelente música, umas das melhores da carreira da banda!  E a continuação dessa saga provavelmente virá em Quintessence of Darkness.











          Acredito que A Batalha de Belial contra Gabriel  veio primeiro por conta de ser o tema principal da banda, somado ao potencial de  qualidade (sem desmerecer a seguinte), pois Eternal Figth tinha tudo para ser o início do trabalho, já começa ali num som de tempestade, chuva,  dedilhado e de repente como num raio ela vem. 

          Rápida  e agressiva como a primeira, ela é baixo astral  e se mantém assim por um bom tempo. Lembrando aqueles rifes dissonantes e malditos do álbum Transilvania Hunger do Darkthrone, com um pouco mais de recurso eu diria. Pois os rifes se desdobram em belos abafados quebrando aquela brutalidade da música e continuando com belíssima cadência. A faixa retorna a sua postura bruta e caótica para depois finalizar com uma guitarra solo a lá Dissection.


          Chaos Legion é furiosa, verdadeira destruição fazendo jus ao nome, naquele estilo Satanic Warmaster. De repente a música vai para uma cadência melancólica pra caralho, um sentimento pesado como em músicas tipo "The Bitter Taste of Emotional Void" do Mütiilation. Se não bastasse, belíssimas melodias com harmônicos terminando em leves toques dissonantes, depois belas cavalgadas e um baixo com grande destaque, foda pra caralho! 

          A música volta a sua fúria inicial e encerra com uma levada esplendorosa com direito a solo de guitarra, a lá Burzum - Key to the Gate. Um solo "simples" comparado ao que se encontra  no metal, porém com muita garra e um sentimento  muito claro da proposta da banda, fudido! Uma das melhores músicas da banda.








          A  faixa título The Legacy of Antichrist se inicia em um dedilhado bem melancólico, bem característico da banda, por mais de um minuto. Em seguida todos instrumentos entram em ação em uma cadência de uma postura bem firme e guerreira.Essa faixa se destaca do álbum pela sua estética sonora, ela é toda cadenciada, porém com uma atmosfera muito fria e hostil. A guitarra com belos abafados e pequenas cavalgadas que da um clima muito soturno e solitário quando o vocal se ausenta, lembrando em algumas partes Forests in Fire and Gold do clássico Forgotten Legends do Drudkh. Temos aqui outra faixa do caralho. Afinal, não existe música que encha linguiça nesse álbum , todas de altíssimo nível.


              
          Para finalizar, Funeral of the Light. Notamos uma forte influência do grande Death de Chuck Schuldiner em seu início, lembrando músicas como Without Judgement, porém de uma for ma mais lenta e nos moldes da atmosfera de The Legacy of Antichrist. Depois entra aquela bateria clássica dos anos 80 nas bandas de thrash por exemplo. Satanic Warmaster é uma das bandas de black metal que combina esses ingredientes muito bem, e o Warforged soa bem no mesmo estilo e com tanta qualidade quanto. Essa faixa possui passagens bastante secas e ríspidas, lembrando rifes de albuns como Pure Holocaust do Immortal e Lembranças do Mal do Ocultan. Em meio a brutalidade, velha escola, cadência, cavalgadas o Warforged fecha o álbum em grande estilo com o Funeral da Luz!






As ilustrações são de Gustave Doré para a obra de Paradise Lost (Paraíso Perdido) de Jhon Milton que influenciaram muito a banda, como exemplo a capa do EP The Legacy of Antichrist e o álbum The Black Age of Light's Fall.


Por Deserto de Azazel




As letras traduzidas foram retiradas do Metal-Archives onde a própria banda disponibilizou as traduções:



                                            
The Legacy of Antichrist - Youtube



A Batalha de Belial Contra Gabriel (Pt.1)

Mestre das hordas nefastas
Invoco sua força, fúria e ódio.
Conceda-me suas legiões infernais
Para batalhar contra aqueles que pregam pela luz.

Que sejam derramadas lagrimas de sangue,
Sacrificada a linhagem celestial,
De seus amados anjos protetores,
Sejam aprisionadas suas almas!!!

“Ódio, contra o funeral da luz,
Não haverá misericórdia,
Matem, todos aqueles que se oporem a verdade.
Guerreiros, usem a força,
Usem o caos, usem o terror.
Lutem pela honra!”

Empunhando suas laminas profanas,
Marchem para a batalha,
Liderados por Belial, matem Gabriel,
Derramem seu sagrado sangue!

A batalha da revelação,
Onde os fracos se esconderão,
E somente os fortes sobreviverão.
E somente os fortes sobreviverão...




Luta Eterna

Guerreiros das sombras ouçam o chamado da escuridão,
As aclamações daqueles que habitam as profundezas.
Empunhem suas lâminas da discórdia envolvidas pelas chamas negras,
Lutem pela honra, lutem impiedosamente!

Guerreiros nefastos mensageiros da morte...
Amaldiçoados pelas trevas vagam no inferno...
Mestre das almas imortais,
Aclamamos seu poder...
Invocamos sua força, fúria e ódio!

Luta Eterna!

Que sua fúria e ódio expresse sua força,
Que a devastação seja propagada através do caos,
Ergamos a bandeira da morte!
Lutemos até o fim dos tempos!
Luta Eterna!

Mestre das almas imortais,
Aclamamos seu poder...
Invocamos sua força, fúria e ódio!



Legião do Caos

Guerreiros marcham para o campo de batalhas,
Cavalgando guiados pela sede de sangue,
Elevem seu poder até o infinito,
Desecrando toda a pureza das almas!

Seguindo a matança,
Sangue inimigo funde-se ao meu suor,
Gritos queimam sua carne apodrecida,
Feita em pedaços.

Leve meus olhos para ver a tristeza,
Para a minha vitória, possua minha alma...
Lute para vencer pelo amanha...
Para sempre lutaremos,
Derramando lágrimas de sangue!

Legião do Caos...
Transforme toda vida em um pesadelo
Legião do Caos...
Faça com que conheçam as chamas do inferno
Legião do Caos...
Destruam a total harmonia do paraíso
Legião do Caos...
Tragam-me a cabeça dos anjos celestiais de deus!

Extasiados, meus olhos vêem o ódio guiar minha alma,
Para conquistar tudo!
Demonstrando o verdadeiro poder do caos,
Lutaremos contra a igreja de cristo! 



O Legado do Anticristo

Quando o luar se aproxima,
Todas as luzes se tornam negras,
Espalhando o mal por todo o mundo
Com o espírito de Baphomet

Tornando-se o profeta santificado adormecido
Em um mar de lagrimas e aflição,
Mestre do caos,
Aguardamos o seu despertar
E a Guerra tornar-se “abençoada”...

Pela conquista de seu trono,
Elevaremos nossos espíritos...
Mostre-nos o caminho da sabedoria,
Mostre-me a verdade...
Seu legado é nossa vingança
Contra o erro da criação..
Que caia perante meus olhos,
A máscara que cobre suas mentiras...











Funeral da Luz

Crias do caos e da guerra
Em seus punhos vejo o ódio,
Banhadas com o sangue de nossos inimigos
Ergam suas espadas...

Contra a maldita criação batalharemos
Em nome do caos e do terror,
A chama negra que envolve nossos corpos
Motivam-nos a lutar...

Em seus olhos vejo a fúria
O desejo de assassinar a luz,
O holocausto da hipocrisia
O massacre da falsa divindade

Seres desprezíveis,
Aproveitem sua ultima ceia
Pois seu sangue podre escorrerá
Perante a face da hipocrisia...

O Funeral da Luz...






    Warforged live in UMF Ritual XVIII 05/09/15 - Música Impure Blood in the Chalice of Life do álbum The Black Age of Light's Fall








Download disponibilizado pela banda:






DOWNLOAD The Legacy of Antichrist - Full











DOWNLOAD The Black Age of Light's Fall - Full











DOWNLOAD Heretic Path Full

domingo, 17 de julho de 2016

NOCTURNAL AGE Metal Fest 4 - Juiz de Fora - MG



NOCTURNAL AGE Metal Fest 4  -  Juiz de Fora - MG


SODOMIZER ( Rio de Janeiro )
BLASPHEMICAL PROCREATION ( Juiz de Fora )
OPUS SECRETUS ( Rio de Janeiro )





ATENÇÃO: O evento NOCTURNAL AGE FEST 4 será no Olímpico Atlético Clube e não mais no Piratas. O Olímpico (Rua Benjamin Constant, 177) tem uma estrutura maior e não tem problemas com horários. Compartilhem essa mensagem com o pessoal de JF e região!






https://fbcdn-photos-a-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xfl1/v/t1.0-0/s526x395/13920787_1177752655580834_4705282948653443650_n.jpg?oh=6e7725b02d33d3fe546f3069387c7aab&oe=58171C6D&__gda__=1481621638_e563554988d0895d826aa59260285627

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Miasthenia - Legados do Inframundo











Lançado em meados de 2014, Legados do Inframundo  veio com a árdua missão de suceder  Supremacia Ancestral, o qual eu considero o ápice da banda em todos os sentidos. Nele se aliou a técnica e melodia com bastante agressividade e uma temática muito mais detalhada e aprofundada que os trabalhos anteriores. Quando uma banda chega nesse nível ela passa a ser pressionada por sua própria sombra. Pois se cria uma expectativa muito grande em torno dos próximos trabalhos e a crítica sobe de nível, em algumas bandas isso acaba se tornando negativo afetando no resultado de seus futuros lançamentos, algumas perdem sua essência com tamanho profissionalismo e outras acabam por perder completamente o foco do trabalho iniciado, seja lá por qual motivo, pois cada um tem o direito de fazer o que quiser com sua música como, por exemplo, explorar outros caminhos que nada tem haver com a raiz de sua arte, claro que quem é fã também terá todo direito de continuar seguindo determinada banda ou não.

Mas aqui estamos tratando de um caso muito bem sucedido. Vi muita gente considerando esse o melhor álbum da banda e não discordo, porém ainda o coloco praticamente no mesmo nível do anterior... Não por demérito, mas sim pela qualidade que vejo em Supremacia Ancestral. Mas é claro que houveram evoluções, ele está ainda mais bruto e a guitarra de Thormianak (que também faz o contra –baixo no estúdio) esbanja técnica de várias formas, o teclado de Hecate muito bem encaixado fazendo também a parte grave do baixo nos shows, a bateria é muito dinâmica e encontramos do arrastado até metranca, ela fica por conta de V. Digger.






Serpente Emplumada e Pirâmide de Chichen Itzá









O que quero dizer que essa questão de qual trabalho é o melhor é muito mais relativa do que parece pois os trabalhos anteriores como XVI e Batalha Ritual apesar de mais simples, cada um tem a sua marca e característica  que podem muito bem serem melhores que os trabalhos recentes pra muita gente. Também não seria absurdo alguém dizer que as músicas da demo Faun – Trágica Música Noturna são suas preferidas, pois são todos grandíssimos trabalhos e a música tem essa magia de fazer um trabalho totalmente simples te levar ao êxtase e igualar a potência de um mais complexo. No metal então não existe essa competitividade de campeões, top sei lá das quantas (ao menos na minha opinião), todo grande trabalho independente de sua complexidade técnica tem seu espaço entre os grandes. Que diga Hellhammer,  Venom, Sodom e Bathory e companhia em seus primórdios.

Para entender todas essa caminhada vamos resumir a discografia da banda. Miasthenia iniciou seus trabalhos em 94, bem no auge do Black Metal e já em 95, lança sua primeira demo tape de forma independente, ela saiu em duas versões, sozinha e em split com o Lament contento mais 2 covers do Samael e 1 do Grand Belial’s Key. Com uma sonoridade bem simples e sem teclado, em um andamento bem cadenciado. Nessa época Hecate ficava por conta da guitarra e quem assumia os vocais era Vlad D’ Hades (Vulturine). O trabalho chama-se Para o Encanto do Sabbat



Para o Encanto do Sabbat em split
Miasthenia / Lament


Demo Tape Para o Encanto do Sabbat








Em 96 a banda lança Faun- Trágica Música Noturna,  em demo-tape pela Bloodstar elevando o patamar da banda no cenário. Em 98 a Evil Horde Records lança essa demo junto a outro clássico do metal brasileiro, a demo My Visions in the Forest do grande Song D’ Enfer. Lançado em um split Cd com o nome Visions of Nocturnal Tragedies. Nesse trabalho a banda já introduz o teclado a sua sonoridade e Hecate começa a fazer algumas passagens de vocais. A influência da escola grega é muito grande e a banda forma uma identidade maior.





Faun - Trágica Música Noturna em
Split Miasthenia / Song d' Enfer
Faun - Trágica Música Noturna


























Mas os anos 2000 foi onde a banda realmente concretiza uma forma totalmente original ganhando mais força, velocidade e técnica a cada álbum e assumindo por completo a temática pré-colombiana que foi inovadora pra época. Com os clássicos XVI (2000), Batalha Ritual (2004) e Supremacia Ancestral (2008). Em 2011 lançando o dvd Ritual da Rebelião com vídeos ao vivo por todo país.





XVI
Batalha Ritual















Supremacia Ancestral
DVD Ritual da Rebelião





















         Vou aproveitar o que o Miasthenia representa e entrar em um assunto mais polêmico. A superioridade de uma raça...

         Não acho um ancião viking mais importante que um ancião nativo de cultura africana, pré-colombiana ou qualquer outro povo pagão. Pra mim estão no mesmo nível de contato com a natureza, o que é o mais importante no paganismo. Acho muito interessante a pessoa seguir a raiz da própria cultura de seus descendentes, mas isso não é regra e nem prova de que a pessoa é superior. Todas as culturas ditas pagãs levam para o mesmo caminho, o que interfere é o modo de como a utiliza. O Miasthenia é uma prova de sucesso de pessoas que não são 100%  puras de sangue do culto que praticam (longe disso) e mesmo assim conseguem atingir em cheio sua filosofia ou espiritualidade. Apesar de que praticam a cultura raiz do continente onde habitam, o qual considero muito importante.

         Pra mim o segredo é descobrir qual caminho  que você mais identifica para atingir determinado objetivo que é comum entre todas as culturas pagãs.  O pensamento de superioridade do próprio povo é um pensamento primitivo e batido hoje em dia pela realidade da vida. Pois todos conhecemos através da bíblia a mania de superioridade dos judeus, afinal o divino só favorece a eles e o resto é erro ou blasfêmia. E também lembramos o fato de como se não houvesse cristãos 100% sangue ariano. Afinal todos os povos lutaram contra essa praga e foram vencidos “territorialmente”, e muito por culpa de uma parte do próprio povo que foi aceitando passivamente em todos os continentes do planeta. Então raça e cultura nesse sentido tem significados complexos e as vezes distintos.

         Reconheço a luta contra a perda de identidade com a globalização mas creio que essa postura de superioridade de um povo seja falha contra o principal problema.

         Quero dizer com tudo isso que pra mim as pessoas que praticam esse pensamento atrasado estão a um nível abaixo de outras como Quorthon (Bathory, que foi o precursor dessa temática no Black Metal ) que era de sangue puro da cultura que vivia mas não caia nessa ilusão de superioridade. Essa é um tipo de arte realmente luciferiana e libertadora no principal sentido da questão pois está livre de barreiras mentalmente criadas por humanos e alcança o esplendor da liberdade em relação a natureza e sua filosofia ou espiritualidade, como cada qual deseja alcançar.





Detalhes de Legados do Inframundo retirado do site Behance - Arte e Layout por AbacrombieINK & Pestmeest





         Enfim chegamos novamente ao Legados do Inframundo, lançado numa parceria entre Mütillation Rec e Misanthropic Rec,o álbum é todo focado no Xibalbá, o sub-mundo maia que difere muito do inferno cristão. Arte e Layout por AbacrombieINK & Pestmeester, formação:

Hécate - vocais e teclados
Thormianak - guitarras e contrabaixo
V. Digger - bateria














        O lançamento nacional vem com um resumo sobre a temática:

“A temática deste álbum foi inspirada na cosmologia mítica dos antigos Mayas, sobre a morte e o inframundo (Xibalbá), presente no livro sagrado do Popol Vuh e nas profecias de Chilam Balam de Chumayel.”



         Só que o album também foi lançado internacionalmente em formato digipack pela Drakkar Productions e traz muito mais informações extras que também poderiam ter vindo no lançamento nacional.Essa é uma vantagem do Miasthenia, pois além de colaborarem com sua arte para o metal extremo eles também têm bastante bagagem e conhecimento para contribuírem com a história e mitologia pré-colombiana. Esse lançamento fará uma enorme contribuição para um maior reconhecimento da banda no exterior que já passou da hora.

Segue abaixo as informações contidas no lançamento da Drakkar Productions:


"Nesta cosmologia o universo é formado por 3 grandes estratos: céu, terra e inframundo. O céu era concebido como uma pirâmide de 13 níveis; a terra, como uma prancha quadrangular, e o inframundo como uma pirâmide invertida de nove níveis. A vida e a morte, a criação e a destruição, coexistiam e se complementavam em uma necessária oposição dinâmica. Estes ciclos se desenvolviam neste espaço cósmico estratificado, mantido pelos galhos, troncos e raízes de uma ceiva gigantesca, a árvore sagrada (Yaxcha) cujos galhos se elevam aos céus e as raízes penetram no inframundo.
O tronco desta árvore representa o mundo onde habitam os seres humanos. O Yaxcha, localizado no centro do universo, conectava os diferentes níveis cósmicos, era o lugar do ato primordial da criação.

O inframundo também chamado de Xibalbá, Mitnal ou Submundo era uma região cósmica obscura, um lugar físico subterrâneo cujo acesso se dava por meio de rios, fontes de água, cenotes, covas rochosas e cavernas. Este lugar era habitado e comandado pelos deuses da morte. Era o lugar para onde caminhavam as almas dos mortos em busca de renascimento. Os Mayas acreditavam na vida após a morte, como parte fundamental de um ciclo perene de criação, destruição e renovação. A alma dos mortos devia percorrer o Xibalbá para depois se juntar com os ancestrais, assegurando assim a renovação do universo. 

O inframundo era assim concebido como o reino da morte, das trevas e escuridão (Akbal), apesar do Sol atravessá-lo todos os dias durante a noite. Este reino da desolação e do sofrimento era também fonte de vida e de renascimento eterno. Pelos tenebrosos caminhos do Xibalbá, seres malignos estão à espreita, empenhados em atormentar e destruir os humanos, mas ali residem também as forças geradoras que fazem brotar os vegetais e que dão solo firme às árvores da selva. 

O Xibalbá não representa o sofrimento eterno, como acontece no inferno cristão, mas sim uma etapa na existência humana que teria de ser superada, para se alcançar um nível mais elevado. Essa viagem ao Xibalbá nos ensina que devemos ter força e coragem para submergir em profundidade, em algum momento da vida, no lado mais obscuro, destrutivo, depressivo, angustioso e doloroso da existência humana, para viver em vida a experiência da morte, porque só no “inframundo da alma”, entenderemos o que somos. Esta experiência te convertera em um renascido, em um iniciado nos mistérios do Xibalbá.”










         Com essas informações a viagem fica muito mais profunda e o horizonte da música fica bem mais ampliado. Focaremos então na musicalidade do trabalho.

         O Miasthenia foi uma banda inovadora, uma das primeiras a cantar no português e em seu primeiro álbum (XVI) assumiram de vez a temática do paganismo das antigas américas. E isso não foi simplesmente escrever sobre os ameríndios e fazer uma sonoridade na mesma linha do paganismo europeu que já existia com muita força e influência no metal mundial. Eles foram moldando sua identidade como vimos no resumo de sua discografia e criaram nos anos 2000 uma sonoridade que realmente remete as eras antigas dos maias, incas, astecas e todos os outros povos e tribos espalhados pela América. Isso muito devido a Thormianak  ter assumido as guitarras e Hécate ter ficado só por conta do vocal e teclado conseguindo uma grande evolução com o instrumento.

         Outra parte importante é a temática toda focada na morte e no submundo. Apesar dela ser um tema recorrente nos trabalhos do Miasthenia como Batalha Ritual que é focado nos rituais antropofágicos dos índios tupinambás, Supremacia Ancestral com atos de resistências bem agressivos culminando em assassinatos e destruição dos inimigos. Em Legados do Inframundo a morte é abordada em todos os seus aspectos como físico, mental e espiritual. Seria a parte satânica da cultura maia, visto que o satanismo está muito além do diabo e inferno cristão que usam como ferramenta de manipulação, sendo ele focado na morte e no caos primordial. O Xibalbá também representa um forte sentido psicológico de força e superação, pois pode se fazer um paralelo de sua jornada com um momento nosso de queda e ascensão do fundo do posso para uma nova vida com mais experiência e sabedoria.





Inspiração para o album Legados do Inframundo





         O álbum inicia com Deuses Fúnebres, uma introdução onde o teclado gera um clima bem sinistro e os tambores ao fundo complementam o clima enquanto são narradas palavras ora em vocal rasgado tradicional, ora em vozes mais limpas:

“ A saga ao Xibalbá, ao estado primordial. Império do medo, dos deuses da morte, de seres disformes, de fetos e larvas. Santuário sagrado. Forças do Popol Vuh. Submundo nos ciclos do tempo. Inframundo da alma ... “


        
         Em sequência entra o peso de Saga ao Xibalbá, com rifes mais ríspidos e estridentes.  Estamos falando de uma banda que tem todo nível pra se tornar mainstream e  que permanece firme no underground até hoje, coloca muita banda gringa dito grande no bolso. Uma boa marca são algumas partes dos vocais flertando com o gutural. A letra recita uma parte das profecias de Chilam Balam de Chumayel:

“A lua e o vento
 A noite e o dia
 Tudo caminha, tudo passa
 Todo sangue chega ao lugar de seu repouso
 Assim como todo poder chega ao seu trono”



         Entronizados na Morte é uma canção espetacular, uma das melhores de toda carreira da banda. Rifes sinistros e uma bateria quebrada dão início a faixa que logo evolui pra uma metranca onde aqueles rifes bem agudos e profundos (como os tradicionais do Satanic Warmaster por exemplo, só pra citar uma referência.) entram em cena enquanto é cantado:

“Com honra e fúria me ergo na descida ao Xibalbá. Tudo passa em ciclos infernais: a vida e a morte, a profunda dor da morte de um punhal cravado no peito. Tudo passa.”

         Outra questão muito interessante foi o vídeo que fizeram para a música dentro de uma caverna. Ao site Questões e Argumentos Hécate fala detalhadamente sobre o processo de filmagem:


“O processo de filmagem foi trabalhoso e perigoso porque foi realizado dentro de uma caverna. Tudo foi bem planejado com antecedência, e contamos com o apoio de um guia local e seus equipamentos de iluminação e exploração de caverna. Gravamos num local distante de qualquer estrutura, dentro do Parque e Estadual de Terra Ronca (Goiás), um lugar ainda selvagem e pouquíssimo explorado. Para chegar ao local percorremos mais de 40 quilômetros de estrada de terra e depois tivemos que carregar os equipamentos à pé, no meio da mata, para dentro da caverna Angélica. Escolhemos um dia e horário que não haveria presença de turistas e deu tudo certo, o resultado foi recompensador e a experiência de exploração da caverna incrível, realmente adentramos o Xibalbá.”

        








         Voltamos então para a musicalidade de Legados do Inframundo. Sacerdote-Jaguar é uma canção mais candeciada e lembra muito os andamentos de XVI e Batalha Ritual. Ela só se torna brutal em algumas partes alternadas no final da música. É do nível de “Onde Sangram Pagãs Memórias” por exemplo. É uma das maiores do álbum com mais de 6 minutos de duração. Bela passagem da letra é:

         “Evocando mortos em transe, guiando seus passos para além do inframundo, de volta ao Mitnal, ao ventre da Deusa, de fetos e larvas, de mortos esperando renascer no inframundo.



         Tok’yah da uma leve intimada na bateria e começa numa boa cadencia. Vocais em coro gritam no refrão o nome da música. Rifes cortantes junto a uma bateria cadenciada marcam a faixa. Tem até uma bela passagem com vocal limpo:

“ Mas as sementes da antiga sabedoria brotam do inframundo, das profundezas da angústia humana, do inframundo da alma.



         13 Ahau Katún é uma das música mais pesada do álbum, já começa numa metranca bem porrada, boa parte da primeira metade da faixa é marcada pela brutalidade. Depois a música evolui para passagens cadenciadas muito marcantes, algumas rápidas passagens de vocal limpo, um belo solo de guitarra. 
Uma das melhores da banda que também ganhou um vídeo feito no interior de uma queimada no cerrado brasiliense com imagens gravadas pelos próprios integrantes da banda em uma viagem ao México nas ruínas Maias.

Segue uma explicação mais profunda sobre a temática da música:

"Para os Mayas pré-hispânicos o tempo era concebido de forma cíclica, cada era representava um Katún. Não possuíam um conceito de tempo retilíneo com um destino prometido à catástrofe final. O grande sacerdote Chilam Balam em seus textos sagrados e proféticos previa os acontecimentos para cada uma dessas eras.

 O 13 Katún correspondia ao tempo em que os cristãos chegaram à América, impondo a cruz e a espada, impondo novos dogmas e convicções sobre o céu e o inferno, era o fim de uma era antiga que trouxe a destruição dos antigos ritos e escravidão.

Os invasores cristão perseguiram os sacerdotes (chilam), condenando-os como bruxos e adoradores de satã. Os textos sagrados anunciam a agonia e a morte do chilam-balam (sacerdote-jaguar), a falta de alimentos, o fechamento dos templos, os sacrifícios de sangue e, especialmente, o abandono dos mortos, com o fim dos ritos que os despertam e guiam pelo caminho do renascimento. 

O fim dos antigos ritos funerários se fez sentir no Xibalbá (reino da morte), era o fim dos ciclos de morte-renascimento-vida que ameaçavam o fim de um mundo antigo."

Por Hécate (vocalista e tecladista do Miasthenia, para "13 ahau katún" - Legados do Inframundo)

"Logo o céu cairá, cairá sobre a terra, onde os quatro deuses, os Bacabs habitam, os qie protegem da destruição" (Profecias de Chilam Balam de Chumayel)



         Em seguida temos Senhores do Mitnal, uma cavalgada intimidadora e logo a brutalidade entra em cena. A música mais bruta e turbulenta do trabalho. Em meio a carnificina esmagadora da bateria citam os senhores do Mitnal e seus papéis no cliclo de tempo e morte:

“Mitnal
 Kisin, enfermidade e caos. Ah Puch decapitando o Deus Sol.
 Hun Camé, Vucub Camé, juízes supremos da morte.
 Xiquiripat,  Cuchumaquic, reúnem o sangue. 
 Chamiabac, Chamiaholom, enfraquecem seus corpos.
 Ahalmez, Ahatocob, a morte em seu caminho.”



         Legados do Inframundo, a faixa título do álbum encerra o ciclo temático do trabalho que da início em um andamento mais "tranquilo" com um estilo bem influenciado pelo heavy metal tradicional. Uma pausa com silêncio total e o teclado emerge e logo os instrumentos de cordas se unem naquela levada bem heavy metal as vezes ganhando umas metrancas para dar um destaque:

"Vejo glifos cravados nas rochas, cenas de embate sangrento, deuses decapitados, corpos sacrificados. A serpente emplumada rastejando na escuridão. Honras a Kulkulkán!"

       Kulkulkán é a visão maia do deus asteca Quetzalcóatl que muitos ocultistas identificam com a figura de Lúcifer. A música é uma das melhores da banda e possue algumas passagens de vocais limpos:

"Do início ao fim, ao cosmos primordial."



        Mas não para por aí, se não bastasse estas oito músicas de grande qualidade a banda nos salda com uma nova versão da clássica Onde Sangram Pagãs Memórias fechando o trabalho com chave de ouro!

" Em comemoração aos seus 20 anos de existência, o Miasthenia lança esta faixa bônus que representa um momento importante na carreira da banda. Esta música faz parte do album XVI, gravado no Blue Records em 2000. Remixada, remasterizada e com vocais regravados no BroadBand Studio em 2013..."

       A parte mais marcante da música pra mim é:

"Somos a tragédia em suas veias
 Correndo para nossa fortaleza na intensa floresta
 Derramando poemas em lágrimas
 Memórias ancestrais..."



Por Deserto de Azazel













Legados do Inframundo encontra-se disponível nos sites das gravadoras que lançaram o álbum:




www.misanthropic.com.br








www.mutilationrec.loja2.com.br
13 Ahau Katún, gravado no cerrado brasiliense:





Entronizados na Morte, gravado no interior de uma caverna:

 




Senhores do Mitnal - Ao vivo no Rio de Janeiro





Onde Sangram Pagãs Memórias: